Blog
ARTROSE DAS ARTICULAÇÕES
ARTROSE DA COLUNA
08.04.22
Maria José Queiroz

ARTROSE DA COLUNA

ARTROSE DA COLUNA

Uma das crenças mais difundidas quanto a origem das dores da coluna é a crença de que essas dores são causadas pela artrose. A degeneração da coluna, popularmente conhecida como artrose ou desgaste da coluna, acontece á medida que envelhecemos. Estas alterações aparecem no Rx , sendo as mais comuns os “ bicos de papagaio” (ou osteófitos) , a diminuição do espaço entre uma vértebra e outra e o desgaste da superfície óssea.

A artrose é um processo natural de desgate (e tentativa de reparo pelo próprio corpo), mas isto não significa que a artrose seja a causa direta da dor. Na população em geral, inúmeros indivíduos apresentam um desgaste avançado na sua coluna e não sentem dor. Por exemplo, um indivíduo de 70 anos, que já apresenta artrose avançada da coluna em seu RX, pode nunca ter sentido dor de coluna. E cada vez é mais comum indivíduos jovens chegarem em nossos consultórios com queixa de dores na coluna.

Pesquisas demonstram que a incidência de problemas da coluna é maior em indivíduos entre 25 a 45 anos, diminuindo em indivíduos da faixa etária mais avançada - onde a artrose está mais desenvolvida . Isto reforça a afirmação de que a artrose por si só não justificaria e causaria essas dores.

QUAL SERIA, ENTÃO, A VERDADEIRA ORIGEM DA DOR DA COLUNA NOS PACIENTES COM ARTROSE DA COLUNA?

Como já foi dito anteriormente, a dor da coluna acomete principalmente indivíduos entre 25 a 45 anos, e tende a diminuir após os 55 anos.

A dor da coluna tem sua origem na articulação vertebral, mais especificamente no disco vertebral. O disco vertebral (uma espécie de amortecedor que se localiza entre as vértebras) e os tecidos moles que circundam a articulação ( cápsula e ligamentos ) são os causadores das dores da coluna. Contrariamente ao que se acredita, a grande maioria das dores da coluna não tem origem muscular ou é devida ao desgaste articular. Ou seja, as deformações discais não estão diretamente relacionadas à artrose e sim à sobrecarga ou stress que incide sobre o disco e sobre toda a articulação da coluna. Quando adotamos posturas inadequadas por um período prolongado, quando executamos movimentos bruscos ou quando carregamos um peso maior , o disco vertebral e os ligamentos da coluna são excessivamente estirados e passam a emitir dor. Quando estirado, o disco vertebral se deforma temporariamente, mas volta a sua forma normal assim que tiramos o stress sobre ele. Se sempre estiramos estes tecidos de forma abusiva, a deformação do disco e ligamentos aumenta e a dor passa a ficar mais constante.

VIDE: A ORIGEM DA DOR DA COLUNA.

Disco vertebral.

O disco vertebral se localiza entre as vértebras. Quando sob forte stress, emite dor.

A dor originada do disco vertebral e dos ligamentos articulares pode ficar localizada sobre a coluna ou em regiões próximas a ela. À medida que a deformação do disco aumenta, a dor passa a irradiar para regiões distantes da coluna, como braços e pernas. Pequenas deformações discais podem emitir dor e, se não tratadas adequadamente, tendem a evoluir para protusões maiores e hérnias de disco.

Quando o disco vertebral, além de se deformar, comprime uma raiz nervosa, a dor passa a ser emitida também pelo nervo comprimido. Trata-se da dor radicular ou dor neural, como as dores ciáticas. Tais dores podem vir acompanhadas de perda de força muscular, alterações da sensibilidade (dormência e/ou formigamento) e diminuição dos reflexos.

O Método Mckenzie tem demonstrado que 60% das dores de coluna são rapidamente reversíveis (em poucas sessões) se aplicado o exercício reparador correto. No caso dos pacientes com dor de coluna e com artrose, a dor é abolida assim que retiramos o stress sobre a articulação e aplicamos movimentos redutores específicos para cada indivíduo. Ao recolocarmos as estruturas articulares em uma posição mais natural e fisiológica, a dor é abolida, embora a artrose permaneça. O paciente aprende a evitar novas crises através da reeducação e de movimentos preventivos.

VIDE: COLUNA E DORES IRRADIADAS, NESTE SITE.

Comente essa publicação